quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Não vá se perder por aí

Você agora desenha monstros em árvores e ri sozinho sem estímulo aparente. Está ficando louco. Queria ser escultor quando mais novo e agora, aos 77, tenta resgatar o tempo do sonho se embrenhando em matagais e parques no meio da cidade. Quem passa comenta, alguns com respeito outros com deboche e desprezo. Fazem pouco caso de seu talento e de suas proposições. São grandes bestas, talvez até maiores que você. Criaturas sem poesia e sem tessitura ocupando espaço no mundo. Sei disso tudo e, por essas e outras questões, te admiro. Você se permite o ridículo, isso é lindo e pra poucos!

Amorzinho, desocupei um espaço da casa especialmente para suas atividades artísticas. Não é nada majestoso, mas é digno e suficiente para um homem de seu tamanho. Contente-se com a vida real! Compreendo suas razões e sua tentativa de fuga das mesquinharias diárias, da mediocridade gratuita. Você é sábio, nossos filhos te amam e nossos netos sentem orgulho de surfar com um avô manchado de tinta. Mas creio que esteja exagerando em algumas coisas, outro dia cismou que era um urso e pior, eu uma galinha! Isso não se faz com um amor de anos, com uma história como a nossa. Já superei todo tipo de maluquices e traições, agüentei calada escândalos de amante em padarias e dividas no botequim, mas isso é impossível de suportar. Preciso de um tempo.

4 comentários:

Felipe Malta disse...

Acho que todos estamos a precisar.
Saudade sua!

Wellington Oliveira disse...

Por acaso andou vasculhando a minha vida...rs.rs.rs...

Mari disse...

"Amorzinho, desocupei um espaço da casa especialmente para suas atividades artísticas"
Belezura!

isaac disse...

me pareceu - pelo terror! - um bilhete deixado, antes de uma daquelas partidas pra sempre.

o detalhe que menos gostei foi a inconstância do "afeto" da escritora do bilhete para com o "sujeito", ora "amorzinho", ora escrotizando.

bjão rachel !