quarta-feira, 6 de abril de 2011

Processos integrados de desconstrução do isso.

Um, dois, respira. Isso, língua no céu da boca, dentes em contato e..., sim, uma arcada em desalinho, mas ainda são dentes. Vai,vai,vai... Puxe o ar lentamente, em profundidade e traz com ele o que for seu, ou o que julgar seu. Foi. Agora solte o ar... Não, narinas não. Pela boca, como se um alívio, como se um deságüe, vai jogando fora, foca bem, vai... Imagina um descarrego, um banho de mar. Tá, pode ser um banho de rio, de cachoeira, água gelada tocando a pele e pá, um lance, um calafrio, toda uma coisa (...), soltar o ar é jogar o lixo fora, é deixar ir. Vai, nêga! Continua no inspira- expira. Sente o corpo, comece a movimentar os braços. Agora os ombros, agora a cabeça, agora as pernas, agora os dedos do pé, agora tudo junto e (...). Agora pula e concentra e vai... Não perde o foco na respiração. Olhos fechados, sentindo o espaço, mergulha. Cuidado com os cantos da mesa à sua esquerda. Sem medo, um, dois, três respira si fu xi pá! Mais alto, bem mais alto, pulando e xingando. Puta que o pariu seu filha da puta do caralho vai se foder e ganhar mal a vida toda, ser explorado, sacaneado, mal comido! É... Aqui ó! Sim, claro, pode xingar mais. Sim, pode ser sua mãe. Wow! Perfeito! Agora imagine que está brigando num bar e dê socos imaginários no ar, alveje uma vítima e comece. Vai, um golpe de cada vez, cuidado para não apanhar. Respira! Segura! Cuspa na vítima! Vai, mais uma vez! Isso, um, dois, três, língua no céu da boca. Um, dos, três, peça desculpas e se arrependa. Vai, nêga!Trabalhando o perdão, a resignação. Pague a conta toda. No processo - no fluxo contínuo da vida (...). Abrindo os olhos devagar. Calma, pode chorar à vontade. Me abrace.

Bem, voltando aos dentes... Sabe que representam uma deficiência de baço? Sim – na medicina chinesa dentes representam a estrutura da pessoa e a forma com que ela digere, filtra as informações. Ó, fazendo uma análise sígnica rápida dos seus dentinhos, diria que você tem problemas com o mundo. E digo mais, tem prisão de ventre!Você tem apego demais às coisas e situações e tem a necessidade que te tratem como se fossem sua mãe ou pai. Você curte ser maternalizada e repete esse padrão com todos ou ao menos tenta (...). Querida, você é infantil. Como acertei? Ah, nêga, o corpo é um sistema integrado, orgânico. Se aqui não vai bem, desequilibra ali. Ninguém paga a conta sozinho. Ai, ai! Até segunda. Às oito.

12 comentários:

Guedes Betho disse...

Opa,opa!
é impossível não acompanhar a respiração e a palpitação cardíaca!(risos)
me diverti também e além disso a ideia de "fluxo continuo" que tenho como leme do meu barco.
é isso,
aquele abraço!

Guedes Betho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gaja disse...

gostei muito, achei impactante porque está escrito - se fosse uma cena não teria essa força, mas como escreveu tudo no mesmo parágrafo, mudando as vozes, sem termos as imagens, o exercício de relaxamento tá todo deslocado.

Victor Meira disse...

Boa, ritmo legal!

Simone Tome disse...

num paguei a conta não ... mas ele apanhou muito!

Flávia Muniz disse...

será que essa série serviria de tratamento a distância?

:)


bjos

aindavierameamar disse...

Olhos fechados sentido o outro e mais a musicalidade interna... Batuque do coração e larvas incandescentes entrando pelas narinas... Baço, fígado, coração... Apoios. Espaço interno... gritos e gemidos!!! Riscos e feitiços!! Vamos lá... relaxa a língua e relaxa o ânus... Isso isso pula grita faz o que for necessário!

elmo thompson disse...

interessante hoje em que encontrei diários perdidos e descobri nunca ter seguido cotidianamente as coisas... Fragmentos, é como recordar-se da vida em flashes, em ritmo sem ritmo, meio desafinado, deslocado nesse não-relaxamento, e digo isso não porque esteja em devaneio, mas porque sempre que venho por aqui me deparo com algo em que me leio, um pouco, também, fragmentariamente, e sem saber como pagar essa conta que cada vez mais cresce por dentro...

Rafael Nazareno disse...

...Disse "Sidarta":Tudo fede a falsidade,tudo cria a ilusão de significado,felicidade,beleza e,todavia não passa de podridão oculta.Amargo é o sabor do mundo.A vida é um tormento...Como não ter problemas com o mundo,como passar batido pelo viver? Isso,exponha suas entranhas,verta seu sangue,sua lágrima e depois ria de tudo,porque passageiro. Vamos continuar no caminho,até que um dos dois se acabe...

Felipe Malta disse...

Esse escrito pede um vídeo!

Rodrigo disse...

Impressionante o movimento que conseguiu dar ao texto ! Como muitos disseram, é ate fácil imaginar o curta, preto e branco, narrado por aquelas vozes aveludadas do anos cinquenta !

Bj

Anônimo disse...

Tá cada vez mais por dentro das coisas que fazem as coisas, hein? Me pareceu uma Rachel muito diferente. Tá andando dentro das coisas que fazem as coisas!
Rafael Alvarenga