sábado, 27 de dezembro de 2008

Ano novo?

É chegada a época em que todos, com raríssimas exceções, exercitamos a reiteração de clichês, condicionamentos e blá,blá,blá... É dezembro! Natal e Réveillon separados pelo lapso temporal de 1 semana. “Já é Natal na Leader magazine!” Comprou seu presente? E a roupa do ano novo? Vai comer lentilha? Vai pra Copacabana? Os fogos são lindos! Sempre chove e, com sorte, você voltará ileso e sem varizes pra casa. É lindo! Vai perder?

Certamente o astral de renovação, a sensação de novidade e a esperança intrínsecas na data e a quebra de tempo nos favorece, ajuda na manutenção do bem-estar e da sanidade mental. O homem, embora procure estabilidade, não suportaria uma vida sem mudanças. É fato. Cairíamos na mesmice, morreríamos de tédio. Ainda assim, nosso instinto de preservação avesso à mudanças nos trai, visto que ao nos depararmos com situações-limite ou com o desconhecido, invocamos mini- certezas. Somos incapazes. Somos cruéis.

Talvez 2009 seja uma repetição de 2008, uma reedição melhorada. Talvez a mulher livre ainda seja considerada puta e o homem, um sensual, um visionário sem amarras que sabe aproveitar oportunidades. Um seguidor das ideologias de Sartre. O máximo! Talvez aquele que lê mais de um livro por mês ainda seja rotulado de intelectual e chato.Talvez o artista ainda seja visto como irresponsável sonhador. Talvez ainda vivamos no século 19! Talvez a crise arrebente a classe média e o dólar suba e caia novamente. Talvez isso e aquilo... Talvez tudo continue igual, mas a vida ainda vale o benefício da dúvida.

4 comentários:

dudu oliva disse...

Gostei do texto!!!!!
Muito bom!!!!!!!

Vinnyl 69 Produções disse...

Talvez!
Quem sabe, trabalhemos esse ano de 2009, pois sem grana, eu não faço mais nada.
"Sou vagabundo, chá. chá, chá!"

Mil beijos e muito sucesso para nós em 2009.

Luanda Morena disse...

É, talvez... Quem sabe?!

Gaja disse...

quando pensamos que mais nada acontece, abre-se o caminho para a negação do que já existe. minha aposta em 2009.