quarta-feira, 9 de abril de 2008

Recorte

Um trecho de um dos contos do Noll, "Nado livre":


" Vivi tanto aquele dia que de mim escorreu sangue ao deitar. Tinha tomado champanhe, uma garrafa inteira de vodca, me arranhara fundo pelos espinhos de umas plantas que poderiam ser de um jardim, praça, parque, sei lá! E, de repente, estava sem bebida em casa. Então, feito fosse uma garrafa de vinho, acabei bebendo em pesadelo o que sobrara de mim própria em meio a cólicas - sim, desidratando-me inteira, a cabeça ruiva sobre os travesseiros, os mesmos sobre os quais eu beijara pouco antes uns lábios carnudos que se abriram passando uns goles de champanhe para os meus, ávidos de sal. "


*Quando eu crescer, quero escrever igual. rsrs

2 comentários:

Felipe Malta disse...

Muito bom!!
Referências boas fazem a diferença.

eduardo disse...

Eu também!!!