domingo, 4 de maio de 2008

Alcoólicas (Hilda Hilst)


É crua a vida. Alça de tripa e metal.
Nela despenco: pedra mórula ferida.
É crua e dura a vida. Como um naco de víbora.
Como-a no livor da língua
Tinta, lavo-te os antebraços, Vida, lavo-me
No estreito-pouco
Do meu corpo, lavo as vigas dos ossos, minha vida
Tua unha plúmbea, meu casaco rosso.
E perambulamos de coturno pela rua
Rubras, góticas, altas de corpo e copos.
A vida é crua. Faminta como o bico dos corvos.
E pode ser tão generosa e mítica: arroio, lágrima
Olho d’água, bebida. A vida é líquida.

*Além de gostar muito dos versos dessa senhora, esses, em especial, me dizem muito no momento.




4 comentários:

dudv disse...

Muito forte. Gostei.

Heyk Pimenta disse...

bom recorte!

bem resolvido pra caramba o poema, né?

Sylvia Regina Marin disse...

Oi, Rachel
O teu texto tem afinidades com o dela. Gostei também.
Beijos.
Sylvia

Tata Marques disse...

Pra todo lado que eu olho, só vejo Hilda.
Gostei.